De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Sobre os 12 anos

 Rebeca completou 12 anos. Novamente fazendo aniversário em meio a Pandemia, e com outros problemas que tem que lidar com relação a familia e amigos, nós decidimos viajar para comemorar o aniversário dela. Sair de casa, das nossas 4 paredes apertadas e tentar relaxar.

Deu tudo errado.

No dia da viagem ela acorda e comenta que a garganta esta arranhando um pouco. Como o tempo andava seco, tento não dar muito ibope para o caso, torcemos pelo melhor e dou a ela uma pastilha para a garganta, só para garantir.


Um dia cheio, escola, parabéns com os avós, arrumar as coisas, pegar estrada, se perder, chegar tarde. A casa é linda, mas no fim do dia estamos exaustos. Fomos em 4 pessoas - eu, ela, o pai e um amigo meu. Da idade dela, ninguém. Mas, ei, teriamos a praia!

Na manhã seguinte, muito cedo, eu e ela acordamos. Ela esta constipada, com dores e se sentindo mal. O tempo não ajudava - fechado e frio, logo começou a chover. Prostrada durante todo o dia, era impossível esconder o medo -  com ela de volta a escola, a poucos dias de tomar s primeira dose da vacina, será que ela tinha pego COVID?

Esperamos algumas horas. Almoçamos. Ela comeu pouco, a garganta doia muito. Deitada em frente a TV, sem energia, ela escondia a propria aflição. Eu não via sentido em continuar ali. A previsão do tempo era de chuva para o resto do fim de semana. Alguém tinha que tomar a frente e tomar as decisões e essa pessoa, mais uma vez, era eu. Voltamos para casa. Exame de COVID agendado para o dia seguinte.

Rebeca ficou muito triste. Muito frustrada. Se sentia culpada, deprimida. Sozinha. Com medo. 

Fiquei com ela e fiz o que pude. Conversamos. Ficamos juntas, assistimos filme, comemos coisas gostosas.

O exame de COVID deu negativo. Ufa! Só isso mudou muito o humor de todos na casa. Como uma enorme nuvem negra que se dissipava.

Mas, ainda sim, 4 pessoas fechadas numa casa num fi de semana chuvoso, sim, a cada dia foi mais um amanhecendo gripado. E foi assim por toda a semana.

A possibilidade de aula online facilitou muito para Rebeca poder ficar em casa e esperar melhorar. Para nós, foram dias de molho, mau humor e descanso. Diminuir o ritmo. Se curar.


Existe muito do que precisamos nos curar.


Uma das coisas que esse susto me lembrou é que por mais que os numeros estejam melhores a andemia não acabou e ainda não é hora de deixar todos os cuidados de lado. E que essa doença ainda esta e continuara consoco por muito tempo.

A outra coisa que me fez pensar foi em como a pandemia afetou a vida da Rebeca. Em como ela é solitária, mantendo contato apenas com os amigos online. Crianças são resilientes, talvez, mas não estão imunes as sequelas desse isolamento. Todos somos afetados.

Combinei com ela que assim que possível vamos comemorar esse aniversário de uma forma decente.
Ela merece se sentir feliz e bem.

Ela tem 12 anos.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Setembro Amarelo 2021

 Não vou falar do que já foi. 

O passado por vezes deve ser deixado ali,

Naquele momento em que ocorreu.

Tampouco tentarei falar sobre amanhã,

Já que dele nada sabemos.

Para o amanhã deixo a esperança,

Um bom dia,

Um sorriso,

Uma alegria.

Falarei do hoje, 

Pois é nele que estamos.

E as vezes é o dia mais difícil de passar.

Por hoje eu quero escolher estar bem.

E se não posso estar bem,

Então escolho a chance de me sentir melhor.

E se ainda parecer escuro,

O direito de só deixar o hoje passar.

E se o sono não vier,

Que eu tenha o gosto por uma boa série.

Talvez afagar um gato.

Brincar com o cachorro.

Deitar na cama e me sentir seguro.

E se tudo isso for muito distante,

Ok,

Então que a gente lembre de amanhã.

Porque a esperança está lá, lembra?

E amanhã pode ser o dia que a luz entra,

Passa pelas frestas da janela,

E o sol esquenta minha face cansada.

A cara lavada, molhada, vermelha

Mas que ainda quente se permite.

Mais um dia.

Mais uma chance.

Todo dia.

E eu continuo.

E é a persistência de acreditar no hoje,

Nesse dia, todo dia,

Que me encontra a alegria.






quarta-feira, 4 de agosto de 2021

REPOST - APOIA.SE MÃE BIPOLAR FILHA JACARÉ

 Queridos amigos, seguidores, pessoas queridas do meu coração. Depois de muitos anos eu decidi me aventurar e tentar uma coisa nova aqui no blog. Criei uma campanha de financiamento coletivo para ajudar a manter o Blog!


Sim!




Agora o Blog Mãe Bipolar Filha Jacaré tem um Apoia.se !


https://apoia.se/maebipolar




Segue abaixo a descrição:




Olá pessoas queridas! A vida tem dessas, não é mesmo? Eis que depois de 11 anos mantendo o Blog Mãe Bipolar Filha Jacaré me vejo navegando em águas desconhecidas. Eu gosto muito de escrever o Blog e manter esse registro do meu cotidiano.




Ha 11 anos atras eu comecei o Blog com a intenção de ter um espaço para dividr essa experiência de ser uma pessoa com Transtorno Bipolar que decidiu ser mãe, apesar de todas as dificuldades inerentes a isso. Mais como um exemplo de como é a vida, para que outras pessoas que como eu e se veem com um novo rotulo entre tantos da vida, pudessem encontrar nas minhas histórias um lugar de conforto, de reconhecimento, e não se sentissem sozinhas em seus mundos e indagações.


Ao longo de todos esses anos eu conheci pessoas incríveis, tive várias oportunidades, tentei ajudar quem me procurou como pude, e mudei. Mudei muito. E a cada fase, a cada tombo, a cada acerto, eu tentei trazer da melhor forma as minhas experiências, passadas, presentes, e expectativas de futuro. Sempre de um jeito que você pudesse se sentir acolhido como eu gostaria de ser.




E eu quero poder continuar a fazer isso. Quero mesmo. E é aqui que você entra. Com uma pequena contribuição pra ajudar essa pessoa aqui a se manter e poder dedicar um pouco do meu tempo e carinho para continuar esses relatos, que eu espero ja tenham te trazido algo bom.


A cada meta atingida é um texto a mais por mês que eu me comprometo a publicar, para que você possa continuar acompanhando essa jornada.


Então bora ajudar a manter o Blog?




Acesse a nossa página no Apoia.se, compartilhe com os amigos e ajude o Mãe Bipolar a se manter por aqui!