De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

10 anos de Blog!

Pois é...

10 anos!

Não exatos. Estava checando e o Blog na verdade completou 10 anos no dia 01 de Novembro.

Mas ok, perto o suficiente.

Gente, 10 anos!

Eu reli alguns posts la do começo e é impressionante como tanta coisa mudou, tanta coisa ficou igual, mas como eu cresci!

Rebeca veio pra minha vida eu tinha 27 anos. Existe um marco na minha vida que diz AR e DR (Antes de Rebeca e Depois de Rebeca).

E se muitas das coisas que pensei e desejei não se tronaram realidade, e se outras tantas so estão começando a acontecer agora 10 anos depois, e sabe-la quantas aconteceram sem que eu quisesse, tudo me trouxe até aqui. E entre alto e baixos, eu gosto de onde estou.

A pessoa Di que é mãe. Que é filha. Que é amiga. Que é esposa. MAs principalmente a pessoa Di que engloba todas essas e varias outras faces de mim mesma.

Eu não penso muitas coisas boas sobre mim mesma. Eu me decepciono e tenho uma auto-estima terrivel. Mas ainda sim...

Eu amo quem eu sou hoje. Como pessoa. Meu caratér. Minha personalidade. Meu cerne. Aquilo que faz eu me reconhecer no espelho e fora dele, que faz com que eu tenha paz a noite quando deito minha cabeça no travesseiro.

Esse texto abaixo eu postei no meu Facebook hoje de manhã e é com ele que quero comemorar esses 10 anos.

Por que tudo que sou hoje é por causa e para ela:

Todos os dias ela me lembra o porquê de eu estar aqui. Todos os dias ela tem um sorriso nos lábios e uma risada gostosa que me aquece. Todos os dias ela me cerca com seus braços num abraço apertado e me faz sentir amada, mesmo nos dias que eu estou com dificuldades de aceitar seu carinho. Cada dia que ela é compreensiva e paciente, cada vez que ela é dedicada e persistente, cada vez que ela me ensina sobre a vida... Cada vez que seu amor me tira do escuro e ela ilumina minha vida, eu agradeço. Eu posso ter feito escolhas duvidosas na minha vida e posso viver com limitações diversas, mas se existe algo que eu fiz certo foi ela.
E a cada manhã que brigo com o despertador eu respiro fundo e levanto, porque é por ela. É sempre e tudo por ela.
Eu sou muito, muito, grata.
E agradecer é um bom jeito de começar qualquer dia.

sábado, 2 de novembro de 2019

Dia de Los muertos

Hoje eu comecei meu dia conversando com um amigo muito querido e que mora muito longe. Nos conhecemos desde os 14 anos e temos aquele tipo de amizade que a gente só faz na adolescência.

Conversamos exatamente sobre isso, como quando adultos não fazemos mais amigos como quando somos jovens. Como é difícil criar esse tipo de laço depois de um certo tempo.

Fiquei pensando que a gente se apaixona, se casa, se separa, e até faz alguns amigos, mas nada nunca é igual a essa relação que temos com nossos amigos da adolescência.

Hoje é dia de finados. Dia de Los Muertos. Esse ano eu perdi alguém muito muito especial e próximo a mim. Mas por mais que eu ainda sinta essa perda muito presente, hoje a minha saudade foi pra outro lado...

Hoje sinto saudade dos amigos que perdi pelo caminho. Que me foram tirados cedo demais. Hoje eu choro por eles, mas com uma tristeza com mais saudade que dor. Porque eu acho que doer vai doer pra sempre, mas com os anos a saudade e as lembranças ficam mais fortes, exatamente para que a gente se recorde do melhor que tivemos.

São amigos que se perderam da vida cada um numa circunstância que, infelizmente, não pudemos ajudar. Tentamos. Mas seja num acidente, num crime ou uma doença, cada um deles encontrou morada do outro lado do espectro da realidade, aquele que sobre nada sabemos.

Na tradição mexicana, pelo pouco que sei, enquanto você se lembrar dos seus entes queridos que morreram eles continuarão a existir no outro mundo.

Nos últimos tempos esses amigos tem sido muito presentes, em conversas e lembranças, e eu fico feliz de pensar que isso mantém eles bem seja lá onde eles estão agora.

Que estão jogando uma enorme partida de RPG com a vida desses amigos que continuaram na existência terrena, xingando nossas escolhas ruins e torcendo por nosso sucesso. E fazem isso entre cervejas celestiais e cafés com muito açúcar. E nada disso mais faz mal, nada mais pode lhes fazer mal e causar dor.

Hoje é dia de lembrar.


André...
Gerson...
Ciça...

Sr Ednaldo...

Vó...

Amo vocês. Eu me lembro.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Sobre sentir medo...

Ontem eu senti medo. Medo de mim mesma e de como estou me sentindo. Medo por estar me sentindo bem, muito bem. Medo porque posso estar me sentindo bem DEMAIS.

Hoje eu acordei melhor. Não por deixar de ter medo, não por algo fora ter mudado, mas por mim. Sinto que a nuvem que me atingiu está mais fraca e se não posso dizer que estou bem, posso dizer que estou disposta a me sentir melhor.

E acho que é com essa mensagem que eu venho hoje. Talvez mais pra mim que pra você, mas ela é valida e pode ser útil em algum momento.

Muitas vezes eu vi o mundo de um lugar muito escuro. Todos os dias eu preciso olhar pra esse quarto e tranca-lo de novo. Os monstros podem continuar no armário até que eu possa lidar com eles.

Meu humor muda muito rápido, mas os motivos que me afetam são bem mais constantes.

O que eu aprendi ao longo de tantos anos é a entender que precisamos escolher as batalhas que podemos lutar. Quais podemos vencer. E quando devemos nos retirar, ou retira-las para o canto até que possamos ver com mais clareza.
Saber identificar o momento, e a si mesmo, e usar as ferramentas ao nosso alcance para tirar o melhor de cada dia.

Parece simples, mas nem sempre conseguimos ser práticos assim todos os dias.

Mas quando as dúvidas vem, e quando o medo aumenta, saber dizer "hoje não".

Porque sempre existe um dia seguinte. Sempre existe alguém que se importa. Sempre podemos contar que por mais que algo doa, isso também passa.

Descreveram uma vez meus textos como um rio, onde você pode sentir ele mudar de intensidade e profundidade como a correnteza. Pouco sabia essa pessoa que descrevia à mim.

A força não vem do nada.
Ela vem de dentro, da crença de dias melhores, e encontra coro no exterior, onde aqueles que nos amam insistem em nos ter o mais perto possível.

E por isso eu agradeço.

Hoje eu só quero viver o momento.
Deixar aquele medo de lado. Ele pode ficar no dia de ontem.

Ser feliz, sabe? É o que eu quero pra esse dia.