De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

REPOST - APOIA.SE MÃE BIPOLAR FILHA JACARÉ

 Queridos amigos, seguidores, pessoas queridas do meu coração. Depois de muitos anos eu decidi me aventurar e tentar uma coisa nova aqui no blog. Criei uma campanha de financiamento coletivo para ajudar a manter o Blog!


Sim!




Agora o Blog Mãe Bipolar Filha Jacaré tem um Apoia.se !


https://apoia.se/maebipolar




Segue abaixo a descrição:




Olá pessoas queridas! A vida tem dessas, não é mesmo? Eis que depois de 11 anos mantendo o Blog Mãe Bipolar Filha Jacaré me vejo navegando em águas desconhecidas. Eu gosto muito de escrever o Blog e manter esse registro do meu cotidiano.




Ha 11 anos atras eu comecei o Blog com a intenção de ter um espaço para dividr essa experiência de ser uma pessoa com Transtorno Bipolar que decidiu ser mãe, apesar de todas as dificuldades inerentes a isso. Mais como um exemplo de como é a vida, para que outras pessoas que como eu e se veem com um novo rotulo entre tantos da vida, pudessem encontrar nas minhas histórias um lugar de conforto, de reconhecimento, e não se sentissem sozinhas em seus mundos e indagações.


Ao longo de todos esses anos eu conheci pessoas incríveis, tive várias oportunidades, tentei ajudar quem me procurou como pude, e mudei. Mudei muito. E a cada fase, a cada tombo, a cada acerto, eu tentei trazer da melhor forma as minhas experiências, passadas, presentes, e expectativas de futuro. Sempre de um jeito que você pudesse se sentir acolhido como eu gostaria de ser.




E eu quero poder continuar a fazer isso. Quero mesmo. E é aqui que você entra. Com uma pequena contribuição pra ajudar essa pessoa aqui a se manter e poder dedicar um pouco do meu tempo e carinho para continuar esses relatos, que eu espero ja tenham te trazido algo bom.


A cada meta atingida é um texto a mais por mês que eu me comprometo a publicar, para que você possa continuar acompanhando essa jornada.


Então bora ajudar a manter o Blog?




Acesse a nossa página no Apoia.se, compartilhe com os amigos e ajude o Mãe Bipolar a se manter por aqui!

Sobre Mitos e Instabilidades

"Hoje é um daqueles dias em vou de um extremo a outro em poucos minutos. Um gatilho bobo desperta uma série de sensações e pensamentos que mudam meu humor, tão alegre e animado pela manhã, e me deixam a mercê dessas nuvens de desânimo, tristeza e pessimismo.

Quando convivemos e entendemos o que se passa há tantos anos como eu aprende-se a não ouvir os raios da tempestade com tanto medo. É mais fácil, na verdade, ter medo do sol pois ele é sem dúvida o responsável por derreter a cera que cola as asas de Ícaro...
O importante é saber que não importa quão assustador seja o labirinto, a saída é logo ali. E não precisamos ter medo do minotauro visto que ele nada mais é que nosso reflexo do outro lado do espelho..." Esses paragrafos são de 1 ano atrás. Eles não poderiam ser mais reais hoje, como são na verdade há tantos anos. Indo e vindo nos mares do transtorno bipolar, estamos fadados a lidar com as ondas que se jogam na praia.

Nas ultimas semanas eu entrei numa crise muito forte de depressão. Muito forte mesmo. Tem sido dificil pra mim, tem sido muito dificil para quem esta do meu lado passando por isso comigo. Checamos os fatores que serviram de gatilho: momentos de muita intensidade emocional no trabalho, na vida pessoal, junto com uma tentativa de trocar de medicamento depois de mais de 10 anos com a mesma medicação parece terem sido um combo certeiro na estabildiade que eu vinha construindo. Mas ao encontrar os motivos, faz-se o que é necessário para melhorar: primeiro, começa se respeitando o momento. Entender e aceitar, se dar tempo, mas também usar as estrategias que foram construidas nos anos de tratamento para ajudar a modificar e dar a tal "virada positiva". Isso por vezes envolve gastar com coisas superfulas, ou se dar um bate papo regado a vinho. Uma noite romantica. Um ato impulsivo. Desde que não faça mais mal do que bem, estamos no jogo para sair da depressão então muita coisa se torna permitida. E essa semana começou melhor. As nuvens no céu não parecem mais tão negras. Os sorrisos são mais fáceis. A memoria ainda esta um caco. E parece que essas duas semanas tivram 1 ano inteiro de duração tamanho o cansaço. Mas hoje eu estou melhor. Retomei a medicação anterior que me serve ha tantos anos: nem sempre economizar $$ deve ser o seu foco principal. Foque no que faz bem. E vamos seguindo. O caminho para o fim do labirinto é longo, e as vezes o minotauro nos alcança. Podemos as vzes sair voando, desde qu tenhamos cuidado para não voar perto demas do sol.

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Aquele sobre ser bipolar e mãe

 Olá, eu sou a Di. Caso você tenha chegado por aqui agora e ainda não me conheça.

Eu sou mãe da Rebeca, uma menina maravilhosa de 11 anos.

E eu sou bipolar.

Desse tipo diagnosticado mesmo. Com CID e tudo.

Pra quem quiser saber mais da minha história, eu vou recomendar ler uma série de posts que tenho contando um pouco do começo da minha trajetória. Eles chamam "A minha história". Da uma busca no blog. 😉

Por agora o resumo é que sou diagnosticada desde os 13 anos de idade, comecei o tratamento em 2004 aos 22 e levei e levo ele muito a sério por um objetivo muito claro: eu descobri que eu queria ser mãe. E eu entendia o que eu precisava fazer para alcançar esse sonho e me tornar a mãe que eu queria ser.

Depois de 5 anos de tratamento até alcançar a estabilidade eu realizei esse desejo e conquistei o direito de ter minha Rebeca.

E durante 10 anos eu me dediquei a ser a melhor mãe que eu podia ser.

O resultado disso foi uma filha saudável, companheira, amiga, empática, preocupada com o mundo ao seu redor, crítica, bem educada e que entrou na pré adolescência pronta pra começar a se virar sozinha e dar os próximos passos.

E no momento que ela já não precisa da minha dedicação integral 24h/7dias da semana, eu me vi em águas misteriosas, podendo voltar meus olhos para mim mesma novamente.

Isso trouxe uma onda de coisas boas mesmo em meio a uma Pandemia. Trouxe muita instabilidade emocional também pra eu ter que navegar, mas nada que não seja possível de lidar.

Ao longo desse meu caminho eu tive a sorte de ser uma pessoa muito consciente. Por ter convivido desde a infância com minha mãe com Transtorno de Pânico e entender isso como uma doença com tratamento e capaz de ser vencida - eu vi isso! - quando eu me vi em uma crise que parecia sem volta eu fui capaz de parar, entender o que estava acontecendo comigo, e buscar ajuda médica.

Foi iniciativa minha. No meio de uma crise depressiva. Um momento de lucidez no meio de uma tempestade.

Com o blog eu tive a chance de conhecer, e espero que ajudar, muitas pessoas que de repente se viram com esse diagnóstico cheio de tabus e precisavam de um apoio e de um exemplo que era possível ter uma vida boa, útil, feliz, e que não precisavam abandonar seus sonhos, muitas vezes de ter uma família.

No máximo teriam que desacelerar, respirar, aprender novas formas. Mas que um diagnóstico não é uma sentença.

E ser bipolar não define quem somos. É apenas mais uma das nossas características. E podemos conviver com isso.

Eu não escrevo mais com tanta frequência. Minha vida anda bem corrida e disso eu não tenho do que reclamar. Tenho vivido um segundo sonho.

Mas sinta-se a vontade para vasculhar nos arquivos daqui do blog. Pode ser que você encontre algo que se assemelhe ao que está vivendo agora. Talvez algo que te dê uma luz, ou uma mão.

E continue por aqui. Ainda vamos nos ver muito nessa viagem.


Boa semana pra vocês!