De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Desafio dos 7 - bom fim de semana!

DESAFIO DOS  7 
Recebi da Ana do Balde Areia e balanço.

7 coisas que tenho que fazer:

- Emagrecer
- Cortar e pintar o cabelo. Esta sem corte de novo e cheio de fios brancos mostrando que nem sou tão jovenzinha assim. :P
- Marcar o Pediatra da Rebeca, o dentista, o meu dentista e o do Taz, meu novo psiquiatra (outro post), o retorno do Taz no gastro, enfim, preciso marcar medicos. São tantos que decidi que valem como uma coisa só.
- Colocar a Rebeca na escolinha
- Me organizar depois disso e começar a escrever meu livro - tem que satr pronto até começo de Julho ou antes.
- Estudar para prestar vestibular no fim do ano
- depilação (verãozão e eu com vergonha de andar de saia, muito feio isso -mas ainda to na fase MUITO mãe e NADA mulher)

7 coisas que mais digo:
- Rebeca...
- Te amo
- Ai que linda!
- Filha
- Ai que saco!
- To tão cansada...
- Amor...


7 coisas que faço bem:
- Ouvir - sério, sou uma otima ouvinte
- Dar conselhos - inclusive aprendi que eles devem ser requisitados (mesmo que de forma a serem subentendidos) antes de serem dados!
- Escrever
- Cozinhar
- Encontrar emprego pros outros
- Contas - sou boa com numeros, inclusive uma otima memoria para os mesmos
- Dirigir - apesar de não faze-lo pois morro de medo.

7 defeitos:
- Impaciência
- Perfeccionista
- Imediatista
- Teimosia
- Mandona
- glutona
- preguiçosa

7 qualidades:
- Extremamente Sincera
- Mãe muitissimo  dedicata
- Perseverante - mas essa eu descobri sobre mim mesma a pouco tempo relativamente falando
- Amiga
- Honesta (embora isso não devesse ser qualidade)² (concordo Ana, concordo, to com voce nessa!)
- companheira
- compreensiva

7 coisas que adoro:
- Encher a Rebeca de beijos e ganha-los de volta
- Escrever
- Viajar
- Bater papo com amigos
- Cozinhar para os outros
- A Rebeca e tudo que ela faz
-Cinema

7 coisas que detesto:
- Falsidade
- Filas
- Mentira
- Preconceito
- Burrice
- Ma vontade
- Inveja

7 blogs para passar o Desafio:
Bia, O Lord da Diva
Pai do coração
Solar Bipolar
Gravida e Bipolar
Confissões de uma mãe de primeira Viagem
-  O cantinho do Rei Arthur
-  My Little World





Bom fim de semana a todos, espero voltar com boas novidades!


AH, antes que eu me esqueça: Amanhã tem sessão do cinematerna no Shopping Frei Caneca, em São Paulo, as 11h. Se der tudo certo, nós iremos estar lá! Vamos nos ver? Bejos!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Princesinha tagarela

Hoje, como disse, vou falar da minha princesinha. :D

Rebeca esta cada dia mais fofa! Seu vocabulario tem aumentado bastante e percebo que agora ela não apenas assiste a TV quando passa algo que ela gosta, como os DVDs da Galinha Pintadinha e do Cocorico, mas como esses ja dão sua contribuição a fala dela.

Foi, por exemplo, com o cocórico que ela aprendeu a falar "papa" de comida. Não é um termo que eu uso, mas ela "viciou" no cocórico e pede pra ver sempre, o tempo todo, quer que deixe passando mesmo sem ela estar assistindo, canta algumas palavras das musiquinhas, e uma dessas palavras é "papá".

Alem do papá, ela tambem tem aprendido com o DVD a falar Japão (papon) o cade dela esta cada vez mais nitido tambem, outro dia ouvi ela tentando falar sol... ela pede falando cocó, pegando a caixinha e levando ate o DVD. A aparelho esse que ela descobriu os botões e vira e mexe vai la e desliga, abre, muda a configuração...

Com a Galinha pintadinha ela dança mais, se diverte muito, e tem aprendido a associar nomes e partes do corpo dela, como mão e pé (que ela ja sabia) nariz e bumbum.

É muito carinhosa, me da muitos beijos, vez ou outra da beijo no Taz mas ainda é dificil, mas sempre incentiva que nos dois troquemos esse carinho. Manda beijos, fala tau, agora tambem fala mamá (mamadeira), mamãe, vovó e vovô, papai...

Decidiu que agora ela quer fazer as coisas andando. Sim tem criado cada vez mais coragem! Mas ainda não muita, o jeito dela é pegar na nossa mão e ir, de pé, aonde quer ir. Ela nos leva e não o contrario. Alias, quando quer que façamos algo, que envolva toque, ela pega minha mão e leva ate o que ela quer. Pode?

Uma dessas coisas que ela aprendeu foi a fazer o "hi-five" (toca aqui) e bater a mãozinha dela na nossa. Hoje estavamos brincando disso eu, ela e o Taz. ai ela pega a minha mão e faz eu fazer um hi -five com o Taz, ao inves dela!

Quando quer dormir, vem pro meu colo, pede, as vezes choraminga, ate irmos pra cozinha e fazer o Mamá. Alias, quando ela esta cansada não reclama disso e fica empolgada com a expectativa da mamadeira e dormir. Mas, quando esta se divertindo e ainda tem pique... aff Ela não faz escanda-lo mas custa a se acalmar e dormir...

Hoje na mesa foi a mais fofa. Depois de termos tomado um lanche da tarde, eu ela e o Taz ela começou a nos mandar beijo. Mandamos de volta e ela continuou. Ai eu fui de um lado dela, o Taz do outro e cada um deu um beijo na bochecha dela ao mesmo tempo. Ela deu risada, virou o rosto pra mim e me deu um beijo, virou pro outro lado e deu um beijo no Taz e ficou toda risonha!

Adora um queijo e dispensa facil docinhos em geral. Fica feliz da vida quando ganha Polenguinho, mas não fez a menor questão de danoninho ou Yogurte, ainda prefere uma boa banana. ^^

Esta absolutamente enorme!

Fomos no cinematerna semana passada e agora ela é a maior bebe da leva toda! Parece um criançona de mais de 2 anos brincando no meio dos bebezinhos. Alem dela tem o Gabriel, que é um bebe cuja mãe é americana. E americanos, rpeciso te contar, são bem grandes! Nos ja o conheciamos de outras sessões a varios meses tras, ele é um mes, um mes e meio mais velho que a Rebeca e quando começamos a ir ele era muito maior que todos os bebes, mesmo a Rebeca, bebezinha de colo ainda. Agora ela o passou!

Não sei quanto ela esta medindo. Não fomos ao pediatra esse ano ainda (o que é algo bom, ja que isso significa que as crises de rinite passaram junto com o frio) então estou sem noção de altura e peso, mas tenho a impressão que nessas ultimas 2 semanas ela deu uma espichada de novo. O peso, como ela tem se movimentado mais e sentido menos necessidade de comer (prefere agua e sucos a comer por causa do calor acredito) tem aumentado menos. Mas ela esta bem gorduchinha sim.

temos passado pelo menos 1 hora do dia, ou mais, com ela na piscininha, que ela ama de paixão!
PEde pra subir para o terraço, faz birra de querer se soltar no chão pra isso e tudo! Quando ja esta por lá, pega a mão de quem esta com ela, leva ate a piscina, espera receber a mesma em mãos, leva a piscina ate a magueira e espera a gente encher!

Adora brincar de coisas que façam a gente interagir com ela, como esconde esconde, pega pega, etc É quando ela mais se diverte.

Os cachinhos do cabelo dela estão crescendo e aora balançam bastante quando ela mexe a cabeça - e isso virou uma das suas diversões na mesa, ficar balançando os cachos.

Tenta comer sozinha, mas do jeito dela (sempre!) - mete a mão no prato, quando deixam, e leva a comida a boca. As vezes tenta usar a colher mas não tem tanta paciencia assim e acaba girando ela muito na mão e não conseguindo levar a comida ate a boca pois derruba ela antes. Mas leva a colher ate a boca sempre, sozinha!

Esta bem grudada em mim. Me chama muito , pra quase tudo. Se estou perto, não quer que eu saia.. Se estou longe,quando ela se da conta que não estou ali, me chama "mamãe" e quando me ve faz uma festinha. E odeia que eu mexa no computador.

Chega ao ponto de, quando estou no computador, encostar em mim pra chamar minha atenção e quando olho pra ela faz exatamente como eu faço com ela: acenando o dedinho indicador, faz "nãnãnãnãnão".
Preciso doizer que faz sentidno pra mim, afinal se eu digo isso pra ela quando ela mexe no computador é claro que ela vai fazer o mesmo comigo! E com isso tenho passado mais tempo com ela, cantando as musiquinhas, brincando, dando e ganhando beijinhos e abraços. Ai, e que delicia de abraços!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Mais sobre o mesmo

Hoje foi um dia medio. Isso por que eu e o Taz fizemos o inventario das coisas da lanchonete que ele trouxe pra cá no sabado.

sim, sabado de manhã ele foi com o cunhado buscar as coisas na escola pois era a data limite pra retira-las de lá ja que as aulas começavam hoje. Tinha tudo pra ser um dia horrivel. Mas o Taz não contava com uma coisa...

Eu organizei uma festinha surpresa pra ele aqui em casa em comemoração ao aniversário. deu a hora do almoço, por volta das 13h, e as pessoas, poucas e inusitadas, começaram a chegar. E mudaram o tom do dia, tornandoo agradavel e especial! Fizemos um churrasquinho, batemos papo, curtimos a comapanhia.

e pra terminar o fim de semana bem, ontem levei ele ao cinema pra assistir Enrolados. Filme otimo, gostoso de assistir, cheio de cenas fofas e lindas que nos fazem chorar como só os filmes da Disnei são capazes.

Terminamos nosso fim de semana bem, apesar dele estar cada dia mais deprimido.

Ai vem a diferença de eu hoje estar corretamente medicada. Estou bem, dentro de todas as expectativas e dos problemas, eu estou bem. Estou bem o suficente pra conseguir ajuda-lo, ficar perto, estar presente  e forçar um pouco a barra quando necessario pra fazer as coisas. Estou bem pra poder ver e entender quando o momento pede que eu chame ele a ação e quando ele precisa desligar um pouco do mundo. Bem o suficiente pra entender que ou ele vai logo ao medico acertar a medicação (tem que acertar a dose e trocar de remedio pois esse da um reverterio estomacal que o impossibilita muitas vezes de sair de casa) ou uma tristeza justifiavel vai virar uma depressão maior da qual ele tera muito mais dificuldade de sair.

Então, hoje minha irmã veio pra ca, ficou com a Rebeca a tarde toda enquanto eu e o Taz faziamos o inventario das coisas. Conversou com meus pais, contou as novidades e me ajudou a plantar uma sementinha de ideia na cabeça deles que seria uma boa pedida se eles adotassem.

Amanhã trago as noticias da Pequena, com um post dedicado so pra isso, por que minha gordinha merece!!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Atualizando e receita

Bom, as coisas por aqui andam a passos lentos.

Sobre a situação do Taz, ele decidiu não brigar - a irmã dele vai ser contratada pra continuar trabalhando la, assim como a amiga deles que tambem trabalhava com eles na lanchonete e ele não quer causar possiveis transtornos. É, o problema do cara é so com ele, algo sobre muitos galos pra um galinheiro só.

alem disso ele ja não esta bem, se desgatar com uma briga judicial, no caso dele, seria piorar um quadro que ja esta se agravando. Melhor recolher os espolios dessa luta perdida e lamber as feridas. Vamos recolher nossas coisas e colocarei tudo a venda - ate colocarei aqui um link depois com as coisas vai que alguem se interessa, não?

Estamos averiguando algumas possibilidades. Nada muito definitivo ainda, pois tem muita coisa acontecendo e pra acontecer, mas pelo menos alguma coisa pra gente colocar nossa vida nos eixos. Alguns planos, nada definido. Afinal, pra quem vai começar do zero, tudo é possibilidade.

Preciso esperar as coisas acontecerem pra poder contar mais, pois no momento tudo esta muito confuso.
Sendo assim, como o post bacana e com fotos so vem amanhã (tcharam) hoje deixo voces com a receita do bolo de aniversario do Taz ^^ Aproveitem pois ficou uma delicia!

Bolo Sensação:

Massa:
admito, usei uma massa de bolo pronta. Massa de chocolate, pode ser pronta tipo dona Benta, ou voce pode usar a sua receita de bolo de chocolate de preferencia :P

Recheio:
Creme branco com morangos
1 lata de leite condensado
1 caixinha de creme de leite (pois vem sem o soro)
2 colheres de manteiga sem sal

Leve ao fogo todos os ingredientes e misture bem, ate levantar fervura. Mexa sempre. Apos 3 minutos, antes do ponto do brigadeiro, retire do fogo e deixe esfriar.

Corte os morangos em pedaços pequenos, lave bem e misture no creme ainda morno.

corte o bolo no meio em 2 partes iguais e fure a parte de baixo algumas vezes. Passe o recheio ainda morno na metade de baixo. e feche o bolo.

Cobertura: Ganache de chocolate
1 caixinha e meia de creme d eleite sme soro
1 pacote e meio de chocolate meio amargo

Leve ao fogo 1 caixinha e meia de creme de leite sem soro e misture o chocolate meio amargo, lembrando de picalo bem antes disso. Misture bem por cerca de 3 minutos ate que o chocolate derreta por completo e a mistura fique homogenea.. desligue o fogo e espere esfriar. Quando estiver morno e mais durinho, passe sobre o bolo. decore com morangos e leve a geladeira. Sirva gelado ^^

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Dos 35 dele

Hoje é aniversario do marido. Não pude comprar um presente. Tentei então estar presente o maximo que pude. Não foi um dia bom, não por minha causa, não, mas por que o mundo não parou de girar e o que ja vinha acontecendo não quis esperar...

Lembram que falei que o Taz teve depressão? Bom, o fato dele se ver sem emprego e agora tendo que decidir se vai brigar ou não, se de fato vai precisar ou não brigar, pra receber alguma coisa e não sair de mãos abanando, estragou nosso dia. Ligações desagradaveis, ate da familia dele, relacionadas a isso, forçando ele a decidir o que não deveria ser decidido hoje. Colocando ele em duvida - fazendo ele duvidar de si mesmo.

Dia ruim. Um dia que deveria ter sido otimo, incrivel. Mas queria dar mais que isso, mais que so estar ali.

Tentamos sair de manhã e ir no Parque da Agua Branca. Fomos, mas tambem foi ruim - culpa ai sim da minha doença. Não lido bem com mudança repentina de planos e o plano era ir num paruqe perto de casa. Não consegui lidar com a situação, levei uma mordida de uma formiga, e fiquei de mal humor. Estreguei nosso primeiro programa do dia...

Os outros estragaram o resto.

O jantar foi bom, engraçado. comemos uma pizza com meus pais, irmã e cunhada, comemos um bolo que fiz (e que ficou delicioso, depois coloco a receita) e demos muita risada da pequenina, que é um encanto e esta numa fase deliciosa - tirando as birras em que ela chega a se jogar no chão, mas isso é historia pra outro post.

Mas eu queria dar algum presente, que significasse muito. Então, depois de toda essa enrolação, vou dar aqui, nesse post, meu presente:

Se um dia eu pudesse dar
de presente o meu presente
esse presente que voce me deu
de querer viver loucamente
de querer, enfim, só querer
de lembrar dia a dia
que depende só de mim
de querer
de mudar
de ser
ser eu mesma
e te ter
aqui comigo,

convivendo com as loucuras dessa vida
que me fazem chorar de rir
de chorar sem ser ouvida
de rir ate na despedida

Esse presente lindo que voce me deu
que é vida
a mais querida
Que não troco por nada
nem por moeda nem safira
essa vida tão torta e tão certa
onde por mais dificil que seja
ficar de pé ou dormir
acordar e sorrir
E minha e sua
e tendo isso
o resto é vicio
é luxo
é resto

Mas não importa muito
Por que tendo voce aqui comigo
pra ter o resto é so querer
é ter
é saber
é lembrar
é recomeçar
De todos os presentes que me deu, queria te dar esse de volta
a lição que sempre retorna
Que se mudar é preciso
é so querer. E so mudar.
E se no inicio nos vemos de novo, tudo bem.
Pra quem sabe olhar pra tras nenhum cominho é sem saida.
E atras de voce, tenho eu. E atras de mim vejo voce.
E na nossa frente, bom...
Teremos qualquer coisa que quisermos ter.




feliz aniversario amor, te amo demais!

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Pra se ter uma ideia...

Pessoas, sempre falo aqui que estamos vivendo uma situação dificil, certo? Olha, pra voces terem uma ideia, vou colocar aqui os anuncios que tenho feito do que estamos tentando vender/trocar pra ilustrar, fazer propaganda/pedir pra voces divulgarem por conhecidos que possam se interessar:

http://osasco.olx.com.br/material-pra-lanchonete-iid-158198751
http://osasco.olx.com.br/vendo-piano-em-bom-estado-iid-131183611
http://osasco.olx.com.br/vendo-chacara-em-boituva-iid-91508110
http://osasco.olx.com.br/escola-de-ingles-com-130-alunos-vendo-urgente-iid-74366865
http://praiagrande-saopaulo.olx.com.br/vendo-apartamento-praia-grande-iid-70161754

ta complicado o negocio aqui...
:(

sábado, 15 de janeiro de 2011

Da série o que eu penso sobre: mudar de vida

eu tenho sérios problemas em lidar com mudanças. muito por causa da bipolaridade que não me permite ficar bem quando as mudanças ocorrem muito rapidamente. mas, ser mãe não é uma coisa que acontece de repente, voce se torna mãe ao longo de meses a fio de espera (seja pela gravidez seja por um telefonema para a adição) e depois uma rotina exaustiva mas muito gratificante com um bebe (ou mais!)

Pra mim ser mãe é algo muito natural: eu sempre gostei muito de cuidar dos outros. Mas é diferente cuidar de um amigo, de um companheiro, e cuidar de uma criança que confia totalmente em voce pra suprir absolutamente todas as suas necessidades.

E por mais que algumas pessoas insistam que a vida delas não mudou, ou que não querem que mude, depois de ter filho, e seguiram fazendo baladas enquanto a criança fica em casa com outra pessoa, eu não sou assim. Alias, não sou e não acho certo ser assim. Apenas deixando claro que estou falando de sair de balada todo fim de semana, não dormir o fim de semana inteiro em casa, sair na sexta e voltar no domingo, como um adolescente faria. Não concordo, e não sou capaz de fazer isso. A minha vida, sem duvida, mudou.

Mas não mudou so externamente, da forma obvia do ficar em casa ao invez de sair. De não jogar RPG nos fins de semana. Mudou uma coisa dentrode mim. Pela primeira vez na minha vida eu me sinto de fato, adulta.

Simplesmente eu não faço baladas não só por que tenho uma filha, mas por que ao ter feito a escolha de me tornar mãe fazer balada não faz mais sentido na minha vida.

Lidar com um grupo de pessoas, ou que seja uma, fazendo intrigas, preocupada se X esta querendo provocar e causar na balada por estar vestindo uma roupa assim ou assado. Fica fazendo fofoca entre os amigos por que aquele cara X que estava afim me deu um NÂO bem grande na cara e eu não sei lidar com isso. Não, isso não é pra mim...

Isso, hoje, na minha cabeça, faz parte da realidade que a Lulu vive, esta começando a viver. E um mundo de aparencias, onde nos inserimos pra formar nossa propria identidade longe dos nossos pais. Mas, que uma hora ao formarmos nossa individualidade, deixa de fazer sentido. As pessoas que vejo insistindo em viver dessa forma ou me parecem perdidas ou tentando retomar algo que elas acreditam que perderam.

eu não perdi nada. Eu ganhei. Eu ganho.

Hoje em dia faz sentido pra mim discutir politica e a importancia de ter uma mulher na presidencia, independente se votei nela ou não.

Hoje em dia faz sentido discutir e agir com relação ao aquecimento global.

Hoje em dia eu falo de marcas de fraldas, passo noites em claro com um bebe doente  e não procurando alguem com quem sair, ficar, dar uns beijos. Hoje em dia tenho todos os beijos que quero, de uma menininha que esta aprendendo a me comprar com eles pra não dormir.

Hoje em dia faz sentido, por pior que seja, escolher entre pagar o cartão de credito ou ir viajar, ou pior, entre comprar frango ou almondegas pois a grana é curta, quase inexistente e não da pra fazer os dois. Da pra sonhar com a viajem, talvez parcelar o cartão...

Hoje em dia fico muitas vezes nervosa, pelo cansaço pensando que quero um tempo pra mim. E me vendo perdida com meia hora que seja sem minha baixinha chamando mamãe pra eu brincar com ela.

Hoje em dia faz sentido ter cada vez menos moveis na casa. Viver com o essencial. Aprender de verdade o que é prioridade e o que é superfulo. E perto da saude do seu bebe tudo parece superfulo.

Durante a gravidez minha vida passou pela minha mente. Memorias e mais memorias de coisas que eu tinha esquecido, da minha infancia, adolescencia, sonhos. Muitas dessas coisas ainda rondam a minha mente e são dificeis de lidar, pois foram de alguma forma traumaticas ou batem de frente com a realidade que vivo hoje e que acredito que devo viver.

Foi como num filme, tudo o que vivi as vezes volta, passando um trailer me dando dicas do que esta acontecendo hoje com a minha bebe, ou como evitar hoje que aconteça com ela mais pra frente coisas que aconteceram comigo.

Quando fiz minha reunião com os amigos de 15 anos atras eu me senti mais deslocada impossivel. O momento que me senti mais a vontade foi falando da Beca com uma amiga que tambem tem filhos. O fato foi que na hora que me vi na sinuca, com pessoas que eu conheci anos antes mas de fato não fazem mais parte da minha vida, eu não quis mais estar lá. Não que deixei de sentir carinho pelas pessoas, ou que não seria bom encontra-las em outra situação e colocar o papo em dia. Mas do jeito que fiz, todos juntos, e com isso preocupados com coisas que faziam sentido ha 15anos atras e hoje, bom, se passaram 15 anos, elas não deveriam mais fazer sentido...

Minha vida voltou a fazer sentido quando sai do bar e entrei no carro da minha carona pra voltar pra casa. ali, falamos de problemas do dia a dia, de coisas reais. De problemas de gente grande, que trabalha e paga contas e tem que conviver e de fato arca com as consequencias dos proprios atos. Não eramos mais adolescentes.

Outro dia no carro conversava com o Taz e ele diz que meu sogro costumava dizer a ele que ser adulto é fazer escolhas. Eu completei com "e amadurecer e aceitar as consequencias por essas escolhas".

Eu escolhi ser mãe, como ja falei aqui. Com essa escolha aceitei que minha vida iria mudar. E mudou. E por mais que existam momentos que eu sinta vontade de ter um tempo meu, pra mim, e ate sair um pouco, essa eu não é mais a mesma pessoa que existia antes de eu ter engravidado. Sou outra, mudei, sou mãe. e sou muito mais feliz e completa assim, num mundo onde as coisas fazem sentido.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Tradição de sexta feira

Sim, hoje é sexta a noite e como ja disse uma vez, tento sempre fazer esse post, tendo-o como tradicional e aquele com o qual podemos contar.

Quero agradecer muito todas as palavras de conforto que recebi. A morte é pra mim algo muito complicado de lidar - sem duvida ainda tenho muitos anos de terapia na minha frente para poder entender o quanto ter visto minha mãe ter sua primeira crise de sindrome do panico aos 5 anos dei idade onde ela acreditava que estava morrendo, a morte de minha avó 8 anos atras um dia antes do aniversario do meu pai, e a minha propria falta de fé na mais comum forma explicavel. Enfim... E dificil, não to muito bem, mas com certeza ja estou bem melhor. Nada como um dia depois do outro - e a magia que pode ser a bipolaridade em alguns momentos da vida.

Não, nunca é bom ser bipolar. Mas com os anos de tratamento e autoconhecimento ela pode sim ser util. No minimo voce sempre pode contar que a sua propria doença, se voce deixar, vai mudar o seu humor e fazer voce se sentir melhor de novo. Fato. A questão é o quanto voce pode e deve controlar essa virada que vem, sempre vem, quase como um mecanismo de defesa no meu caso quando começo a ficar muito deprimida.

E, sim, ela veio. E estou aqui na minha luta, segurando esse leão, que não sabe se foge ou se come minha cabeça. A mania ta ai, ou melhor meu quadro de ciclotimia esta ai. Fraco, graças a medicação que não largo, funcional e atuante. Mania essa util que me impediu de cair numa depressão das mais profundas, pois é nelas que lidar com a morte me joga. E agora eu me seguro como posso, como uma criança empinando uma pipa, soltando um pouco a linha quando o ceu fica limpo, mas nunca deixando a pipa solta demais a ponto de se perder no vento.


Ok, ja devaneei muito ai, acho que ja deu pra pegar o espirito da coisa. Nada bem, mas não tão mal, ok? Aos poucos, dia a dia, vou voltando ao normal. Fico feliz nessas horas de poder ter com quem contar. E feliz por ver que muitos amigos distantes ainda me oferecem uma mão, um braço talvez, nos momentos de apuros. Esses sim são aqueles de verdade, que pode ter distancia e tempo, mas nutrimos aquele carinho e aquele respeito mutuo que mantem a amizade acesa.

Agora tento me concentrar em alguma coisa mais proxima, agradavel, especifica. Não consigo. Mas tento.

Teve uma outra coisa que bagunçou meu mundo esses dias: o trabalho do Taz. Alem da morte do meu primo na terça feira, na quarta feira, pra ajudar, o Taz ficou sabendo que o dono da escola onde ele administrava uma lanchonete nçao ira renovar o contrato com ele. Mais, vai romper o contrato ja, agora. Em fevereiro ele não voltara com a cantina. Ele esta, oficialmente, desempregado. E os dois agora estão a discutir os termos da saida dele e da permanecia dos funcionarios na nova administração.

Nessa esperamos apenas que seja feito um acordo bom o suficiente pra que ele possa dar andamento em algum outro trabalho. Pensamos em algo temporario mas que nos permita no minimo manter o que ja estavamos planejando: mudar de casa, colocar a Rebeca na escola, manter meu tratamento. E claro, com as incertezas, algumas coisas terão que mudar.

Agora vem a parte de priorizar uma coisa ou outra. e vou dividir aqui com voces o que me passa pela cabeça. sair da casa dos meus pais é muito importante pra mim? Sem duvida. Tem sido sufocante ficar mais tempo aqui do que o planejado. É psicologicamente desgastante por mais que meus pais sejam pessoas boas, e queiram o nosso melhor, ainda é do jeito deles. E o jeito deles é bem pouco encorajador. Sabem aquelas pessoas que dizem assim "Olha, voce precisa ajudar aqui em casa, precisa resolver sua vida..." e ai quando voce fala "Ok, então vou me mudar pra X fazer Y" eles dão risada da sua cara e dizem que voce não vai conseguir se sair bem? É assim... Como aquelas mães cliches que dizem "Filho, voce precisa encontrar uma boa moça pra casar, mas nenhuma mulher vai jamais te amar e te tratar tçao bem quanto eu".

Enfim. Ainda sim, estou vivendo com eles ate agora e, se não houver alternativa, continuarei. Existe uma luz no fim do tunel, um plano, que assim que der certo, pois é uma questão de tempo e insistencia e persistencia, muita coisa vai mudar. Inclusive eu de casa. Então, preciso acreditar nisso e tentar ter a minha vida da melhor forma possivel em conjunto com eles, apesar das coisas ruins. Afinal, eu tambem não sou nenhuma santa.

Mas a minha prioridade é a Beca. E tenho visto que ela precisa de mais do que posso dar a ela ficando com ela em casa. ela precisa de mais espaço, de mais liberdade pra brincar, se desenvolver.Crescer. E eu sinto que estou travando esse desenvolvimneto dela sendo insegura, sem iniciativa. Acredito qie ela esteja pronta pra ir pra escolinha. Acredito que sera o melhor pra ela. Acredito que sera bom pra mim voltar a ter esse periodo do dia pra fazer outras coisas, como cuidar de mim, trabalhar nos meus projetos (sim, eles existem), cuidar da minha saude sem depender de outras pessoas pra isso, voltar a dirigir. Acho que estamos prontas e precisamos desse momento pra crescer. E curtir ainda mais os outros momentos que ficarmos juntas. E essa é a minha prioridade atual. Então, assim sendo, vou fazer e abrir mão do que precisar pra isso funcionar.

E uma das coisas que ja sei que terei de abrir mão é da minha psiquiatra. Da medica, não do tratamento. Ainda mais agora, com a incerteza do emprego do Taz, de o que ele vai fazer, quanto vai ganahar, pagar uma psiquiatra fora do convenio não é viavel. Ja estou devendo horrores pra ela pois faz 2 meses que nossa outra renda não comparece nos deixando super apertados. Sem a renda certa, que era a que vinha do Taz, vamos ter que abrir mão de mais do que eu imaginava. E entre abrir mão do convenio que temos e passar a fazer o tratamento pra bipolaridade pelo convenio, pelo menos temporariamente, opto por fazer o segundo. vou esperar o mes acabar e ir na proxima consulta pra falar com ela sobre isso pois tenho experança que algumas coisas ainda possam acontecer e isso se reverter mais rapido. Mas se ate fevereiro as coisas ainda estiverem incertas, então...

Ta tudo muito confuso e tenho poucas certezas no momento. saberei mais coisas, com o que posso ou não contar, daqui 1 semana. Ate la... solto um pouco o fio da minha pipa, deixando minha mente subir no ceu, me animar, mas sem perder demais o controle, pois ele se faz ainda mais necessario a cada dia que passe.

Um bom fim de semana pra voces, que ele seja menos confuso que minha vida esta agora. Mas fiquem felizes sempre, pois não importa a tristeza, tenham certeza que nada é permanente.

Ou se preferir, tudo passa, ate a uva passa. Menos cobrador e motorista.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Uma despedida triste

Hoje pela manhã meu primo faleceu. Ele era muito mais velho que eu, na verdade tão mais velho que era apenas 9 anos mais novo que meu pai. Nos nos viamos pouco, algumas vezes por ano nas festas de familia. Seus filhos tem a minha idade e a da minha irmã e era com eles que brincavamos quando eramos crianças nessas mesmas festas.

Ele faleceu essa manhã, apos uma luta dura, desleal, contra um cancer de estomago. No fim, cansado, percebeu sem perceber que chegara a hora de parar de lutar. e com os filhos e a esposa ao seu lado no quarto do hospital, zelando por seu sono, por sua vida, com muito carinho, ele se foi. A respiração foi ficando fraca, fraca ate que parou.

Tem coisas na vida que não esperamos que aconteçam.

Minha tia é espirita e por mais que ela saiba em seu intimo que agora ele esta bem, esta melhor, esta no lugar que deve estar, recebendo auxilio nessa nova etapa de existencia, ela sofria. Sofria pois os filhos não deveriam morrer antes dos pais. Mas mesmo assim, o filho dela ja foi pra la, seja la onde la for, e ela ficou aqui. Talvez para dar ainda mais lições de força, como as que deu a ele em vida, aos netos. Meus primos.

Eu lembro de poucas coisas dele mesmo. Lembro da aparencia, e de brincar com as fotos dele mais jovem no casamento dos meus pais parecendo o Roberto Carlos, com seu cabelo longo e as calças boca de sino.

Lembro dele assim, brincando, dando risada. E acho legal isso, essa lembrança que tenho dele, de dar risada, de ser alegre.

Lembro de meu pai contando pra mim que foi ele quem disse, quando foi a vez da minha vó morrer anos atras, que era uma pena isso, que são as tragedias que nos fazem parar a loucura que vivemos todos os dias e não as alegrias. Para as alegrias postergamos sempre os momentos, pois sempre teremos tempo pra fazer as coisas boas depois. Para a tristeza não reservamos tempo algum, então ela nos arrebata da rotina e nos tras a verdade - que existem coisas de fato mais importantes que aquela conta não paga, aquela reunião inadiavel, aquela brica por causa... por causa de que mesmo?

Ele descobriu o cancer de um jeito bobo. Não sentia nada, mas vinha emagrecendo constantemente. No começo ele achou bom, bem que precisava mesmo perder um pouco de peso! Quer coisa melhor que fazer isso sem se esforçar? Mas ai, estranhou, estava perdendo peso demais e pensou "nossa, melhor ver isso, pode ser que esteja com uma ulcera ou algo assim." Não era uma ulcera, era bem bem mais grave que isso. E esse cancer que ja tinha lhe tomado todo o estomago e parte do esofago quando descoberto hoje lhe tomou bem mais que isso.

Tem coisas que me tiram do ar, que me toram o chão mai que qualquer outra. E a morte é uma delas. Sempre tive medo da morte. Sempre. De tal forma que nem nas minhas piores crises depressivas eu jamais cogitei a morte como possibilidade. Sempre quis viver, viver muito, viver bem. E luto todos os dias por isso, com mais ou menos afinco. E hoje, hoje, eu vi meu primo ser levado no fim de uma luta.

A duas semanas atras eu sonhei com o que aconteceu hoje - que alguem que eu conhecia havia morrido e eu era avisada disso por um e-mail. E que ele estava bem agora. Que tinha chegado de fato o momento dele ir, e agora ele estava bem, sem dor, sem sofrimento. Nesse dia meu primo foi internado com complicações e eu fiquei com isso na cabeça. Um recado, e eu nem sabia pra quem, de que agora tudo ficaria bem e que não deveria haver medo. eu dei esse recado a mulher dele hoje.

Não precisa mais haver o medo. Agora ja esta tudo bem. Agora ele pode ir em paz e eles vão ficar bem.
Eu tambem vou ficar bem. Mas hoje, hoje eu choro a ida de alguem muito muito alegre.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Rebeca in the box

Ola pessoa queridas! Nossa, saudades de vir aqui papear :)

Meu ano começou bem. Não posso reclamar. Começou sem dinheiro, é verdade. Com todos os problemas de sempre. É verdade, mas e dai? Esse fim de ano a Lulu esteve conosco, passamos a virada em casa e com isso mantive a rotina da Rebeca que não acordou nem com os fogos pra espanto de quem convive com crianças pequenas, ou ja conviveu e não acreditava nesse negocio de rotina, rs

Mas verdade, minha virada foi boa, deu trabalho, mas foi boa!

Iriamos passar a virada na casa dos meus sogros, mas o pai do Taz enrolou pra decidir o que ia fazer, não sabia se ia viajar, se ficaria em casa. A irmã dele ja tinha decidido que iria passar na casa dela com a familia dela apenas, nem nos convidou nem nada mesmo. Conversei com o Taz e disse que não dava, com criança pequena e com o fato que meus pais iriam passar o ano novo sozinhos, ficar em cima do muro. E no fim, ele concordou que passariamos em casa mesmo. Fomos almoçar na casa dos meus sogros no dia seguinte e as fotos de familia que coloquei aqui eram de lá.

O Fato da Lulu ter vindo pra ca foi muito significativo. Tenha certeza que pra ela tambem foi - o primeiro ano novo longe da mãe, com quem ela adolescente tem discutido muito. Mas faz parte, e sei, vi, que ela sentiu muito na hora da virada não ter a mãe do lado dela. E sei que fico feliz por ela ter decidido dar esse passo na vida dela, se desgrudar um pouco, e passar com a gente. Mesmo que em alguns momentos ela ter sentido falta. E ela ficou conosco até ontem, e esse foi o motivo de eu não ter postado nada até hoje.

Lulu é adolescente, 14 anos. Internet faz parte da vida dela como o telefone fazia parte da minha na mesma fase que ela esta hoje. Ate contei a ela, quando eu comecei a fazer minhas amizades, que eu chegava da escola e passava 2h antes de ir almoçar falando no telefone com a minha prima, que ligava depois pro meu amigo, que me ligava e depois ligava de volta pra minha prima que depois ligava de volta pra mim que ligava de volta pro meu amigo. Deu pra entender? é, a internet tornou tudo isso mais simples e sem duvida mais barato!

No entanto ela esta com problemas com o peso e a mãe dela fica preocupada que ela passa muito tempo na internet, e as recomendações são de que nós tentemos, ou melhor, colaboremos, com o plano de controle, tanto da internet como do peso. E eu admito, estavamos em clima de ano novo e eu nem me preocupei. Não acho que o tempo que ela passe na internet algo ruim, visto que ela fica conversando, muitas vezes por webcam, com amigos reais, primos, etc. Acredito que a realidade dela é diferente da que eu vivi, do que a mãe dela viveu e tenho muito mais que entender essa realidade e lidar com ela e tentar usa-la ao favor e bem estar da Lulu que tentar cortar e criar um atrito que eu não acredito que ira ajudar.

Eu fui criada na base da conversa, na base do entender e aceitar as consequencias dos seu atos e acredito nisso como uma boa forma de educar alguem. E por mais que eu tenha que seguir as regras de outra pessoa, tambem tenho que fazer isso dentro daquilo que conheço, ou irei me perder. Enfim, o que quero dizer é, deixei ela solta sim, em nome das festas. Mas conversamos muito, sei que ela vai absorver o que eu falei aos poucos e de inicio so que o lhe convem. Mas tambem faz parte. So quero estar perto quando as quedas, que virão, acontecerem. Tudo na vida nos ensina algo e ela esta na fase de criar a propria identidade, eu não tenho que oprimir, mas quero tentar orientar, sim. Mas e um misto de professora e mãe que vem nessas horas, irmã, amiga, tia, madrasta. Não acho ruim de ser a madrasta. Alias, depois que assisti Lada a Lado pareceu algo bem legal. rs

sim, ok, estou me justificando por ter feito pra ela experimentar o melhor de todos os cheese cakes que ja fiz, varios brigadeiros de colher, pudim, pedir pizza... E termos alugado filmes e ficado assistindo. e foi essa nossa semana. Uma semana gastronomicamente feliz, gorda sim, mas feliz. Curtir o momento, a companhia, com o pouco dinheiro que a gente tinha.

Aproveitamos muito a Beca. Nossa, ela tem sido uma companhia incrivel, uma delicia de menina, que aprende mais e mais a cada dia. Fala cadavez mais coisas e aprimora o que ja falava - a palavra da vez é "tau" (tchau) que ela fala, acenando, sempre que sai de um comodo onde tem outras pessoas, ou as pessoas saem de perto dela. As pessoas inclue tambem o gato, o cachorro, o programa de tv que acaba. Muito fofo!

No ano novo ela teve um comportamento que nunca tinha tido e não sabemos identificar o que o motivou, se foi ciume ou proteção. o Taz estava brincando com nosso sobrinho de uns 6 anos e pediu pra que ele parasse pois ia pegar a Rebeca pra fazer outra coisa. Ela brincava na frente dele. Meu sobrinho, como toda boa criança se divertindo, insistiu e se jogou em cima do taz. Nisso a Rebeca empurrou ele dizendo "xai". Ai ficamos sem saber se ela fez por ciumes do pai ou por que achou que meu sorinho pudesse estar machucando ele ja que o taz ja tinha falado pra ele parar. Duvida, ja que ela não fez mais isso.

Esta treinando andar cada vez mais, mas eu ainda sou muito neurotica, muito aflita, e acabo carregando ela no colo muitas vezes que não seria necessario. Nessas horas agradeço que exista o trabalho em grupo, e o Taz seja bem mais sossegado que eu e ande com ela por ai, mãozinhas a postos que ela tem aceitado melhor.

Ela entende bem quando falamos as coisas pra ela, por exemplo: "Olha a chuva la fora Rebeca" e ela vai ate a janela olhar. Ou "Voce tirou suas meias, onde estão suas meias Rebeca?" e ela ir buscar onde deixou. Ah, e nesse clima, vou finalizar o post com uma perola e umas fotos:

cena: Rebeca esta rbincando de esconder as coisas e ver que elas continuam no lugar que as deixou. Nisso, pego o brinquedo, vem ate mim, que estou de pé perto dela, força minhas pernas a abrirem como barras, coloca o brinquedo do outro lado e faz que eu as feche, oultando o brinquedo atras de mim. Ai, me faz abrir de novo e ve que o brinquedo continua la.


Numa dessas, ela coloca o brinquedo e esquece, se distrai e vai fazer outra coisa. Eu saio do lugar e vou pro outro lado da sala, em direção a porta pois iria fazer algo na cozinha. A pequena vai, de joelhos atras de mim, toda carente. Nessa, eu falo pra ela ficar ali, na sala com a Lulu brincando que eu ja voltaria e pergunto onde esta o brinquedo, na esperança de distrai-la de novo. A lulu pergunta tambem, entendendo o que eu quero.
Rebeca não pensa duas vezes: força minhas pernas a abrir em arco procurando o brinquedo que tinha escondido ali.
As coisas continuam onde as deixamos não é? Bom ela deixou atras de mim, rs

Beijos e bom fim de semana!


Brincando no cercadinho

"Posso sair já?"

"cade o nenem?"


Brincado de arrastar


Rebeca in the box!


E se divertindo!

"Pronto, pode fehcar e colocar um laço que o presente ta pronto!"

sábado, 1 de janeiro de 2011