De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

segunda-feira, 18 de março de 2013

Rotina de todo dia é bom pra quem?

A rotina é boa pras crianças, todo mundo sabe disso. Mesmo quem seja contra estabelecer rotinas arbitrárias as crianças concorda que elas mesmas acabam estabelecendo algumas rotinas na vida que ajudam e muito na hora de lidar com as coisas. Mas não são só as crianças as favorecidas com uma rotina, não mesmo!

Digo isso por mim e por outros bipolares que conheço, pessoalmente ou por relato. E acho que isso é uma verdade meio que universal.

Toquei no assunto por que eu estou melhor. E isso apesar de ter pego uma virose no fim de semana e ter passado o sábado e o domingo de cama. Ok, talvez isso também tenha ajudado mais que atrapalhado...

Passei a semana passada ainda meio difícil. Segui com meus compromissos agendados - dentista, psiquiatra. Bebeca foi a escola normalmente, alguns dias chegou dormindo e isso sempre mexe com a nossa rotina pois ela acaba indo dormir bem mais tarde que o normal e eu fico sem o meu "momento zen", ou seja, sem meu horário livre noturno para postar no blog, procurar receitas, escrever ou apenas assistir filmes e ver seriados.

Mas as notícias são boas de forma geral. A psiquiatra acredita que minhas mudanças de humor e minha queda acentuada de cabelos tem a mesma razão - a troca na marca da medicação. então, apenas voltamos a marca anterior e mantemos tudo como estava antes.

Ai que Rebeca ficou doente de quinta pra sexta feira. Virose feia, foi dormir reclamando um pouco de dor de barriga, acordou de madrugada reclamando de dor de cabeça, dor de barriga, um pouco de enjôo e estava levemente febril, com 37°. Dei um tylenol, esperei a temperatura baixar, perguntei se ela estava se sentindo melhor, se o enjoo havia passado e ela respondeu que sim. Dei a mamadeira pra ela voltar a dormir, coisa que aconteceu rapido, e voltamos pra cama.

Mas poucas horas depois, de manhã cedinho, ela me acorda, chorando. Havia vomitado nela mesma, deitada tadinha. Estava ensopada e sem saber o que fazer. Eu levantei rapido, fiz ela se sentar, peguei uma toalaha pra limpá-la e a tirei da cama. Acordei o Taz e pedi que ele desse um banho nela enquanto eu arrumava a cama.

Consegui um encaixe no pediatra e a levei a tarde. Ela não comeu nada a manhã toda, nem água quis tomar. Quando a febre voltou tentei medica-la sem sucesso - ela acabou vomitando tudo. Dei um remédio pra enjôo pouco antes de sairmos de casa o que a fez dormir um pouco no caminho mas ajudou muito inclusive no humor da pequena que foi bastante receptiva na consulta.

Aproveitamos pra medir e pesar (1,025m e 20,6kg), ele examinou, olhou, conversou, mas chegamos a mesma conclusão - virose.

O dia passou como o esperado, controlando a febre e o enjôo. A noite ela jantou um pouco e com o remédio acabou capotando cedo e fácil, sem tomar leite. Mas ai quem começou a passar mal fui eu.

E passei tão mal, tão mal, que não conseguia passar 10 minutos sem ir ao banheiro com ânsia. Fiquei assim das 22h30 as 3h quando cansei e pedi ao meu pai para me levar ao PS pra tomar medicação na veia pois eu não conseguia engolir nada.

Passei o sábado praticamente dormindo, acordei pra tomar remédio, fiquei ums 2h acordada e voltei pra cama. Rebeca passou o sábado bem, sem febre, mas ainda comendo pouco. Domingo a mesma coisa, e ela já estava bem mais animadinha. Quem cuidou dela e de mim foi o Taz, revezando com meus pais parte do tempo pra poder descansar também.

E hoje acordamos as duas muito bem, obrigada. Ela já foi pra escola e eu me senti renovada como a muito tempo não sentia. Com isso consegui trabalhar melhor, descansar e curtir o friozinho que chegou por aqui.

E me sinto bem e reconfortada por voltar a rotina. Saber o que esperar, quando, como. Traz segurança, calma. E se eu que sou adulta me sinto assim, imagina uma criança?

2 comentários:

  1. Ora Viva!
    Ainda bem que está tudo recuperando por aí.
    Eu não podia estar mais de acordo quanto à rotina ser boa para as crianças e para os bipolares. Por aqui há normas para as crianças e também para a mãe. Assim, conseguimos ter uma vida normalíssima e atingir as nossas metas.
    A propósito de regras tenho que ir pôr o meu feijãozinho na cama.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Que bacana! Está de parabéns! :)

    ResponderExcluir

Ai, que bom que você veio! Puxe uma cadeira,sente-se no chão e sinta-se na casa alheia.^^ Mas me da um toque :P