De mãe e louco todas temos um pouco

Sejam bem vindos ao cantinho aconchegante que reservei para essa conversa. Espero que esses relatos possam de alguma forma ajudar aqueles que tem duvidas, receios, e as vezes até mesmo culpa por não serem perfeitos como gostariamos de ser para nossos filhos, que ja estão aqui, ou estão por vir.
Essa é minha forma de compartilhar essa experiencia fantastica que tem sido me tornar mãe, inclusive pelas dificuldades que passei, passo e com certeza irei continuar passando por ser Bipolar. E o quanto nos tornamos mais fortes a cada dia, a cada queda, como essa pessoinha que chegou me mostra a cada dia que passa.
A todos uma boa sorte, uma boa leitura, e uma vida fantastica como tem sido a minha, desde o começo e cada vez mais agora!

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Falando de: Educação e Alfabetização

Eu ja fui professora de Inglês.

Foi o meu primeiro emprego, o que consegui sozinha, na raça, mandando currículo a todos os lados e fazendo entrevista em outra lingua com medo de perceberem que meu inglês não era lá essas coisas na verdade.

Depois disso dei aula em outros lugares, inclusive na escola que meu pai tinha. (passado, não tem mais, ta aposentado)

Meu pai ter uma escola por 26 anos da minha vida foi um fato marcante pras minhas escolhas. Eu acreditava que iria, um dia, assumir os negocios da familia. Então, apesar das minhas dificuldades, eu tentei me focar nessa questão da educação...

Outra coisa que marcou  muito a minha visão sobre esse assunto foi o fato de ter frequentado boas escolas que seguiam um metodo de vanguarda conhecido como socio-construtivista. (Mais AQUI)

Viver nessa imersão toda me fez acreditar em algumas coisas que tenho tido oportunidade de colocar em pratica com a Beca. E avaliar o que tem sido feito com meus sobrinhos...

Hoje conversando com minha cunhada ela comentou que meu sobrinho de 8 anos não sabe ler. Não sabe, pelo que ela falou, escrever o proprio nome.

O que me chocou e eu fiquei sem saber como agir, foi o fato de que ela não falou num tom preocupado, mas de reprovação. A culpa disso era do menino. Afinal, ele tinha ajuda dos pais, e mesmo assim não aprendia. Era preguiçoso e mais, estava se tornando mal educado e respondão. Havia levado um puxão de orelha do avô no fim de semana por ter-lhe respondido de forma mal criada.

Não vou nem entrar no mérito do puxão de orelha - fica pra outro post. 

Ela comentou que achava um absurdo uma criança que tinha feito Jardim e Pré-escola não soubesse, nessa etapa, saber ler.

Eu respondi que, pra começo de conversa, era no primeiro ano que ele devia ter aprendido isso. Mas a verdade é que eu queria falar muita coisa, muita, e me calei. Eu não tenho intimidade suficiente nem estou proxima para de fato, ajudar. Minha opinião, ali, seria apenas uma critica e eu acho ainda, muito mal recebida.

Eu entendo a visão da minha cunhada. Mesmo. A moça que trabalha na casa dos meus pais tem um problema semelhante com o filho de 9 anos.

Não é coincidência. Ambos estudam em escola publica. Seus pais, que trabalham o dia inteiro, também estudaram em escola publica e, se chegaram a tanto, tiveram que se esforçar pra terminar o Ensino Medio.

Tenho certeza que ninguém lê pra essas crianças dormirem. Nem nunca leram. Sei que se os filhos pedirem uma revistinha em quadrinhos, serão duramente criticados por "querer ler besteira quando não leem os livros da escola". Sei que esses pais não tem condições de corrigir as lições dos filhos por eles mesmos não saberem a forma correta do uso das palavras e suas regras.

E todos acham que é obrigação da escola ensinar isso.

E nem querem que o filho saiba muito. Não precisa saber ler e escrever corretamente. Mas precisa ser capaz de ler um jornal, por exemplo, quando for adulto. Mais que isso, tem que tirar nota boa - leia acima da média - e passar de ano.

Eu sei, por que tive a chance de aprender,que não é bem assim.

Eu aprendi a ler com meu pai lendo gibis da mônica pra mim. Sempre tive livros em casa e pude mexer neles quando não corria mais o risco de rasga-los. Meus pais contavam historias pra nós antes de dormir - repetidamente se assim pedissemos. liam nos livros ou as vezes inventavam eles mesmos uma historia nova.

Na escola ler foi uma conquista! Foi algo bom, feito de forma gradativa e prazeirosa. Brincamos muito com letras, silabas e nos permitiram explorar esse universo novo.

Nada era feito de forma uniformizada, robotizada, mecanizada. Entendem? Não eramos um unico ser coletivo, eramos unicos.

Pra vocês terem ideia so fui saber o que era uma prova de verdade, com notas na 4 serie. Alem disso meus pais recebiam avaliações escritas individualizadas bimestralmente, com dicas de como trabalhar minhas dificuldades em casa. Não tive boletim ate mudar de escola, ja na 5 serie.

E apesar de saber que nem todos podem oferecer um ensino como o que eu tive - eu mesma não posso dar isso pra Beca - o que eu tive em casa, a preocupação que meus pais tinham conosco, o cuidado, isso todo mundo pode ter. E deveria.

Não é obrigação da escola somente de ensinar nossos filhos a ler. E um processo que deve acontecer em conjunto. E ele começa em casa, com o pai e a mãe que, mesmo cansados de um dia de trabalho, sentam pra ler um gibi com os filhos, ou inventam uma historia.

Eu sei que ligar a tv e mais facil. Sei que trabalhar o dia inteiro, chegar e ter uma casa pra arrumar, comida pra fazer, é a rotina de 99%:da população. Sei que a escola tem que ensinar muita coisa. Inclusive a ler e escrever. Mas se não podemos perder 15 minutos do nosso dia pra educar nossos filhos e mostrar a eles o prazer de estar junto, e ler, o que estamos mostrando?

A impressão que tenho, com meu sobrinho, é que ele tem uma dificuldade. E que ele precisa de ajuda. Mas que as pessoas em volta dele nem sabem identificar o tipo de ajuda que ele precisa - por que estão repetindo a educação falha que eles mesmos tiveram. E que ele tenta, grita, por uma atenção que, de uma forma negativa, esta tendo ao não saber ler.

Seta que se ele soubesse ler teria tanta atenção dos pais, dos avós, das tias? Ou seria deixado sentado a mesa com uma lição? O que, afinal, ele ganharia?

E por isso que eu leio pra Beca, e invento historias. E canto. E compro Gibi.

Por que eu gosto. E me importo. E eu quero fazer diferente. E a minha parte, a parte mais importante.

A escola e complemento, é um lugar pra dar continuidade ao que aprendemos em casa. Não um substituto.

Mas me preocupo com meus sobrinhos. E espero que o pouco que eu posso fazer por eles seja suficiente pra mostrar uma coisa - que existe sim outra maneira. Existe uma alternativa. E quem sabe, um dia, eles decidam experimentar...E descubram como é bom, esse mundo onde aprender é, sim, divertido.

7 comentários:

  1. Oi...
    Acho que voce faz certo... E esse menino cm essa idade nao saber ler e muito estranho mesmo ate passado de ano =/
    Mas eles la saberao.
    Nem que ele precise de um ensine mais calmo, e mais especial para ele.
    bj

    ResponderExcluir
  2. Acredito muito na influência que exercemos nos filhos - seja ela positiva ou negativa. Se não nos dispomos a cuidar, incentivar, estimular, não adianta querer jogar a culpa "na escola", "nos amigos", "na professora", "na babá"...
    Pra muitos pais é muito mais fácil ligar a TV e deixar a criança ali, "sem dar trabalho" (desculpem as que usam, mas abomino a história de sair com a criança e levar DVD portátil... poxa, e as conversas? e as trocas??) Ter filho é ter trabalho, é doar-se, né?
    Sorte sua a de ter tido o apoio do seu pai, e sorte da Beca de ter uma mãe como você!
    Beijos
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que a leitura é uma herança transmitida pelos pais, sim. Faz toda diferença se seus filho te vê, ou vê as tias, os avós com livros, revistas... eles tem acesso as letras... e eles podem aprender que aquilo pode ser divertido, um lazer, um prazer.

    Boa sorte e espero que seus sobrinho logo se interesse pelo fascinante mundo da leitura!

    Beijos
    Karin

    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  4. Olá, vim aqui te convidar para fazer uma boa ação. vc conhece a blogagem coletiva? funciona +/- da mesma maneira. Vamos lá ajudar a quem precisa, pois cada um pode fazer muito mais.

    veja as regras para participar

    http://ligadeamor.blogspot.com/2012/02/boa-acao-coletiva-rifa-da-solidariedade.html#comment-form

    veja o exemplo

    http://educandoocoracao.blogspot.com/2012/02/vim-convidar-as-blogueiras-e-leitoras.html#comment-form

    ResponderExcluir
  5. Sabe Di, a princípio, fiquei até meio chateada lendo o post. "Não é coincidência. Ambos estudam em escola pública".
    Depois, lendo até o final, entendi teu ponto de vista, embora acredite que estudar em escola pública não tenha a menor importância nesse caso.

    Eu estudei em escola pública, meu marido também, Vicente também estudará.
    Meus amigos quase todos estudaram em escolas privadas e muitos sequer leram um livro na vida (por conta própria, pois na escola eram obrigados)enquanto nós somos ávidos leitores (inclusive o Vicente que AMA seus livrinhos).

    Como você disse, a diferença é que nossos pais incentivavam a leitura e o aprendizado.

    Eu acredito (por que vivi e vejo isso) que a escola é apenas um complemento mesmo e que o verdadeiro aprendizado ocorre fora dela, principalmente em casa.

    Mais do que uma escola particular, o que nossas crianças precisam mesmo é de pais engajados na educação dos seus filhos.

    Uma pena que isso não seja uma regra....

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Adorei!Os pais muitas vezes só culpam, não pensam o que podem fazer para mudar a situação..e nisso o tempo vai passando e o que deve ser feito não é feito..complicado!
    Bjão!
    #amigacomenta
    www.docerotinamaterna.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu estudei em escola pública e ruim a vida toda, o que tinha de bom na minha escola era a biblioteca, Aliás, ainda estudo em escola pública, pq se a universidade não fosse pública eu não teria como cursar nem a graduação quer se dirá da pós?!?!

    Mas o que faz a diferença mesmo, é a atenção dos pais, minha mãe sempre valorizou muito nossa vida escola, sempre foi presente, ativa, estimulando, aqui não tinha livro infantil até que eu os comprasse, mas ela usava o livro da didático mesmo, lia as histórias, contava, recontava, quando aprendi a ler, me ouvia lendo e relendo as história... Até hoje conversamos sobre teoria da história... Meu irmão com dislexia e tudo tb tá terminando sua graduação... e é por ai que vai!

    E minha mãe nem o ensino médio terminou, ela fez isso pq sempre desconfiou que educação poderia nos ajudar a ter uma condição de vida melhor... Talvez falte aos pais acreditar um pouco nesse ideário e investir nele!!!

    ResponderExcluir

Ai, que bom que você veio! Puxe uma cadeira,sente-se no chão e sinta-se na casa alheia.^^ Mas me da um toque :P